Tipos de inflação, índices e o efeito dela nos bancos

Perguntas e respostas sobre tipos de inflação, como as de demanda, de custos e inercial. Quais são índices que medem a medem no Brasil e o efeito que a alta dela causa nas instituições financeiras.

» Página Inicial

A inflação pode ser considerada como o aumento contínuo e generalizado dos preços dos bens e serviços produzidos.

Ela é causada pela emissão descontrolada de dinheiro pelo governo, demanda de produtos maior que sua capacidade de produção e aumento nos custos da produção.

Bancos, governo, empresas e toda a sociedade sofre com os efeitos dela quando há um descontrole generalizado. Entenda quais são os tipos mais comuns e os efeitos dela nas instituições financeiras.

Tipos de inflação

As duas principais causas de inflação são: Inflação de Demanda e Inflação de Custo

Quais são os tipos?

São classificadas em:São classificadas em:

De demanda

A inflação de demanda ocorre quando a oferta é menor do que a procura, ou seja há mais consumidores tentando consumir um determinado produto, do que a quantidade ofertada pelo mercado. Normalmente em situação de inflação por demanda, para combate-la é utilizado a política monetária, com o aumento da taxa de juros a SELIC, reduzindo a circulação monetária, e dificultando o financiamento do consumo.

De custos

É causada pelo aumento dos custos da produção do produto, mesmo com a demanda estável. São vários os motivos para o aumento dos custos, como aumento do preço de insumos de produção, tais salário, aluguéis, taxa de câmbio, e outros determinantes. Para dar combate a esse tipo de inflação é necessário a intervenção do Estado, buscando alternativas para se reduzir o custo de produção.

E bom lembrarmos que qualquer que seja o tipo da inflação ela é prejudicial a todas as classes sociais, caso ela perdure por um tempo demasiado longo. Porém a classe mais prejudicada é classe assalariada, que vêm a sua renda ser achatada devido a constante elevação dos preços.

Inercial

É um processo causado por um efeito psicológico social, onde a população acredita que determinados produtos faltarão no mercado e aumentam substancialmente sua demanda, mesmo sem necessidade. É um efeito causado pela indexação da economia, onde se atrela preços, contratos, salários, alugueis e outros, baseados em índices de mensuração da inflação. Para se combater esse tipo de inflação também é necessário que o Estado intervenha como regulador para acalmar consumidores e investidores.

Qual o efeito da inflação nos bancos?

As instituições financeiras são órgãos que tem como matéria prima o dinheiro e portanto tudo que está relacionado com ele, afeta de alguma forma essas instituições.

Quando a inflação apresenta altas elevadas, como aconteceu no passado no Brasil, por volta dos anos 80 e início dos anos 90, a tendência das pessoas e ter uma relação mais forte com os bancos. Foi o que aconteceu no período citado, já que nesta época havia uma corrida muito forte às agências bancárias, quase que diariamente, já que de manhã você tinha um valor na conta e a tarde poderia ser outro, visto que os preços aumentavam de forma absurda.

Quando a inflação está sob controle, como acontece atualmente, os bancos passam a serem visto como instituições para operações financeiras de rotinas, sem aquela preocupação se eu estou perdendo dinheiro hoje ou se o que eu tenho no banco amanhã dará para comprar o mesmo que eu compraria hoje.

O que são índices de inflação?

São indicadores econômicos que mostram a variação dos preços. Foram criados para medir a inflação e o impacto que a elevação dos preços causam no custo de vida das pessoas. Ele tem como base a cesta básica de alimentos, como arroz, feijão e legumes, que sofre variações conforme o tipo de índice usado. Cada índice tem um método diferente, feito por órgãos de referência como o IBGE e FGV. As diferenças básicas são baseadas nos dias em que são apurados, o que incluem e a faixa da população estudada. Alguns, como o IPCA (índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), consideram gastos com bebidas e alimentação, despesas pessoais, educação, saúde e cuidados pessoais. Já o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) considera desde a matéria-prima agrícola e industrial, até serviços gerais.


 
Veja também: